Crash Test

Se os engenheiros de automóveis usam os ensaios de choque para garantir a máxima segurança dos seus ocupantes, por que não fazer o mesmo com as cadeiras infantis?
Se alguma vez se questionou como fazemos para ter as cadeiras auto mais seguras do mercado, explicamos-lhe aqui todos os nossos segredos.

Um laboratório único
Todas as cadeiras Jané nascem no Jané Crash Test Research Center, o único túnel de choque privado de Espanha para a investigação da segurança infantil.

Como o temos na nossa fábrica de Palau-Solità i Plegamans (Barcelona), podemos usar o Crash Test todas as vezes que considerarmos necessário. Só assim podemos oferecer-lhe as cadeiras mais testadas do mercado e com a homologação mais estrita da Europa.

Os nossos dummies

O que é um dummy?
Nos crash tests que se realizam com os automóveis, utilizam-se bonecos que simulam ser os condutores e acompanhantes. Esses bonecos chamam-se “Dummies” e são os responsáveis por receber todos os impactos necessários para investigar como melhorar a segurança dos ocupantes do automóvel.

Há dummies com o tamanho e peso dos bebés e das crianças, e são estes que usam os nossos engenheiros no Jané Crash Test Research Center.

Para testar as cadeiras Jané e garantir a máxima segurança para os seus filhos, usamos dummies de todas as idades. Nós gostamos de lhes chamar “a nossa família de dummies”: um recém-nascido, um bebé de 9 meses, um de 18 meses, outro de 3 anos, um de 6 anos e outro de 12 anos.

Dotados de características humanas
Para que os ensaios de choque sejam o mais parecidos possível com o que aconteceria num choque real, os dummies devem seguir dois critérios básicos:

  1. Biofidelidade: Que seja o mais parecido em tamanho e peso às crianças da idade que representa
  2. Antropomorfismo: Que os movimentos e as reações do dummy sejam o mais parecidos possível com os de uma criança real.

32 sensores permitem-nos medir o dano produzido em caso de impacto
Os dummies estão equipados com 32 sensores. Estes sensores estão repartidos por quase todo o corpo (cabeça, cervical, peito e pélvis) e, graças a eles, pode-se medir os danos em caso de choque cervical, tensão do cinto, impactos laterais e deslocação vertical.